Protocolo de Cirurgia Segura. Porquê?

Artigo de Marcus Paulo Barbosa

Recuperei este artigo que escrevi para a Revista Brasília Capital em 2010. Apesar de ter sido escrito há tanto tempo, continua atualíssimo!

As perguntas ressoam fundo em nossos pensamentos ao final do diagnóstico e proposição de um tratamento cirúrgico:

  • Doutor... essa cirurgia tem algum risco ?
  • Posso ficar com alguma sequela ?
  • Vou levar a mesma vida de antes da doença?

A medicina avança a passos gigantes nas tecnologias de diagnóstico e tratamento afim de ajudar nós médicos a obtermos os resultados mais satisfatórios que satisfaçam todas as perguntas acima, entretanto, mais e mais vezes vemos estampadas as manchetes em letras garrafais:
“médico opera lado errado da cabeça três vezes”;
“cirurgia sem anestesia leva paciente a sentir cada corte do bisturi”;
“rim saudável é removido no lugar de rim doente”;
“médico opera ligamento do joelho esquerdo, quando o rompido era o direito”...
Afirmo categoricamente que médico algum deseja fazer mal ao seu paciente, entretanto o médico é um ser humano, passível de erros pelos mais diversos motivos, e sabendo disso, necessitamos tomar todo o cuidado quando vamos cuidar do bem mais preciso do paciente: seu corpo... sua vida.

Hoje, diversos hospitais do Brasil estão adotando o protocolo de cirurgia segura desenvolvido pela ANS em 2009. E o que é o protocolo de cirurgia segura ??? O protocolo nada mais é a prática de rotinas e checklists que devem ser seguidos pelos profissionais de saúde envolvidos no processo cirúrgico (enfermagem, cirurgião e anestesista):


  1. sign in – na internação e antes da indução anestésica;
  2. time-out: no momento imediatamente anterior a incisão cirúrgica;
  3. sign out – quando termina o procedimento cirúrgico até a sua alta do bloco. Não há nada inovador nestas rotinas e checklists...

Está tudo nos ensinamentos da boa prática médica dos hospitais universitários, só precisamos colocar em prática o que aprendemos.

Pesquisas apontam que com a adoção de práticas simples houve a diminuição de cerca de 30% de complicações cirúrgicas e mais de 45% de mortalidade !

A adesão às práticas do protocolo de cirurgia segura é uma ótima oportunidade de atingir uma ótima relação médico/paciente pois ao explicá-lo em sua totalidade ao seu paciente ele verá que a sua preocupação com o bem-estar e os resultados do tratamento são de excelência... como diriam os administradores: você encantará o seu paciente!

Esta talvez seja uma das práticas éticas e louváveis de se fazer um bom marketing de seu trabalho pois a propaganda POSITIVA boca-a-boca é a mais eficiente que já vi, propagandas em TV´s, revistas, internet e redes sociais podem até atingir um grande número de pessoas, mas a boa prática da medicina, estudo, ética, respeito ao paciente e bons resultados são nossos verdadeiros “marketeiros”.

Mãos à obra! E vamos fazer a medicina que sonhamos ainda meninos e que aprendemos vestidos nossos jalecos brancos nos bancos dos hospitais universitários com os grandes mestres da Semiologia e especialidades.

Grande abraço a todos.

Vamos que vamos!!!

P.s.: conheça meus outros artigos:

Publicado por


Marcus Paulo Barbosa
Médico Gestor Executivo - Clinical Manager




Comentários

  1. Parabéns pelo artigo, gostaria que mais cirurgiões devem a devida importância ao sign in e ao time-out que são nossas últimas barreiras para evitar erros. Parabéns novamente !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Veja mais

Contatos e canais de contratação nos Hospitais

MANUAL DE INDICADORES DE HOTELARIA HOSPITALAR e CADERNO DE PROCESSOS E PRÁTICAS DE HOTELARIA HOSPITALAR

Vagas disponíveis para trabalhar no Hospital Erastinho - Curitiba