O novo olhar para o consumidor da saúde!



Nesses últimos anos tenho observado um avanço rápido das tecnologias voltadas para a saúde, com isso, esses avanços estão transformando pacientes em consumidores (não necessariamente estão doentes), com maiores expectativas em relação a serviço e experiência. De Wearables, Telemedicina, aplicativos de monitoramento de saúde, todas essas novas tecnologias estão tornando a assistência médica centrada no cliente.

Consumidores agora assumem um papel mais ativo para controlar suas experiências voltadas para o atendimento de saúde. Mudando o termo paciente para consumidor, com mais consciência e busca por uma qualidade de vida melhor e saudável.

Com essas mudanças do consumidor da saúde, as grandes empresas de tecnologia estão agora vendo a oportunidade de consumir no segmento. Empresas como Google, Apple , GE e outras estão investindo cada vez mais em startups de assistência à saúde ou focando em iniciativas internas voltadas para a inovação na área.

A troca entre os gigantes da tecnologia e startups, elas se concentram na experiência do cliente observando a atenção primária como o melhor lugar para entrar no mercado de saúde, já que é a porta de entrada da maioria das pessoas no sistema. Essas empresas vêem uma oportunidade de levar serviços com foco na saúde para indivíduos carentes e desenvolver novas relações de consumo por meio da tecnologia.

Estamos cada vez mais vendo as pessoas entrarem no sistema de saúde de novas maneiras, e não apenas através de visitas tradicionais a um médico ou a um departamento de emergência. Existem novos caminhos e ferramentas disponíveis diretamente para os consumidores que oferecem mais opções para as pessoas.  Com acesso a ferramentas de monitoramento e diagnóstico, os consumidores podem monitorar sua saúde de forma proativa e visitar um ambiente médico quando algo estiver errado. Os dados gerados pelo paciente podem vir de testes de diagnóstico, wearables, dispositivos médicos diretos ao consumidor e genética, entre outras fontes. Com mais dados vindo diretamente do consumidor, os profissionais de saúde podem avaliar melhor o risco do paciente e personalizar o tratamento.

Mas nem todos os dados são criados iguais, como visto com as dificuldades que o Fitbit e o Scanadu tiveram no espaço de diagnóstico e monitoramento. A Fitbit viu sua queda nos estoques como a empresa não conseguiu oferecer dados de saúde acionáveis dos consumidores, enquanto Scandau levantou dinheiro para desenvolver um dispositivo de diagnóstico, mas foi incapaz de obter a aprovação da FDA.

A FDA está criando um processo rápido para aprovar essas soluções e ferramentas de menor risco que criam dados de nível clínico, permitindo que sejam vendidos diretamente aos consumidores.

Na área de diagnósticos, a 23andMe ajudou efetivamente a criar a categoria de testes genéticos diretos ao consumidor, com entregas e relacionamento direto, sem passar por um médico especialista.

Agora temos novas informações genéticas, dados de wearables de grau médico e diagnósticos aprovados pela FDA como Kinsa e Cue para detectar mudanças hormonais e de temperatura para coisas como a gripe, fertilidade, etc. Todas essas ferramentas estão permitindo a medicina preditiva e estão deixando para pacientes e provedores usarem dados personalizados para impactar as suas decisões de saúde.

Este é o primeiro passo para avançar em direção à saúde proativa. O software pode alertar os fornecedores para anomalias nos dados e, em seguida, eles podem entrar em contato com um paciente para confirmar algo incomum ou errado. Isso é muito diferente de hoje, onde os pacientes costumam esperar até que se sintam doentes para procurar o médico.

Essas mudanças também podem tornar a vida mais fácil para os profissionais de Saúde. Mas no final das contas, é que a verdadeira Saúde do século 21 não é mais focada no profissional de saúde ou os provedores (hospitais, clínicas ou centros especializados), e sim nos consumidores que atualmente estão cada vez mais engajados com os novos produtos tecnológicos da área e ainda com expectativas de uma boa experiência.

O Brasil é o sétimo maior sistema de saúde do mundo quando se trata de despesas totais com a área.  Ao mesmo tempo, é o terceiro maior mercado de saúde privado, perdendo apenas para Estados Unidos e China. Está na hora de investir com inteligência nesse setor e promover a melhor experiência possível para o cliente.

Ainda possuímos barreiras regulamentadoras para essas novas soluções tecnológicas e estamos longe de atingir as melhores experiências. Acredito que a soma das grandes empresas de tecnologia com as startups podemos melhorar esse cenário e colocar o consumidor no centro da atenção.


Sobre a Autora



Emanuela Rainho  - Cmo da uxmed

🎯Especialista de marketing de saúde
💫 Vice-Presidente @abstartupssaude
🏙 Co-founder @lab4cities
🎯 Co-founder @deumatchsaude
www.lab4cities.com.b

Comentários

Veja mais

Contatos e canais de contratação nos Hospitais

MANUAL DE INDICADORES DE HOTELARIA HOSPITALAR e CADERNO DE PROCESSOS E PRÁTICAS DE HOTELARIA HOSPITALAR

Vagas disponíveis para trabalhar no Hospital Erastinho - Curitiba