Comida Boa de Hospital


artigo de Renata Baleotti

Umas das coisas que mais dão prazer para o ser humano é a comida. Uma boa comida dá uma sensação enorme de conforto.

A alimentação não é somente uma fonte de prazer. Ela é necessária para a manutenção da vida.

Quando um paciente é internado sua rotina de alimentação muda. E isso já gera um impacto importante na experiência do cliente. 

Até hoje escutamos o termo "comida de hospital" associado a uma comida ruim. Porém essa realidade vem mudando a cada dia. O SND - Serviço de Nutrição e Dietética evoluiu muito. E para melhor!

Vejo um esforço enorme da equipe de nutrição para mudar esse cenário e fama.

Criatividade no cardápio, melhor apresentação dos pratos, melhor execução da comida, em alguns hospitais a possibilidade de escolha do cardápio são importantes no processo de experiência do paciente.

Todas essas ações não são uma questão de luxo. Tem gente que me fala. "Estamos num hospital e não num restaurante". A questão não é essa. É muito maior. O paciente precisa se alimentar. E quando a instituição oferece um serviço melhor de alimentação além de proporcionar uma melhor experiência, em alguns casos, o tratamento da enfermidade evolui muito. 

Dentro de um hospital há diversos pacientes com diversos tipos de dieta. E, dependendo do tipo dieta, a consistência muda. Diferenças de texturas num prato dá uma sensação muito prazerosa. Porém alguns tipos de dieta isso não é possível, o que torna a criatividade na elaboração das refeições e apresentação dos pratos necessários. Como já falado o paciente precisa se alimentar. Isso tudo não tem nada a ver com aumento relevante de custos e sim de replanejamento do setor. Lembrando que a simplicidade muitas vezes é o próprio luxo. A refeição feita e servida com carinho e afeto é sentida pelo paciente.

Alguns fatores que influenciam a experiência do paciente:

  • O paladar e a falta de apetite do paciente mudam, muitas vezes, dependendo do tipo de tratamento médico recebido.
  • Comida sem sal devido à restrição médica.
  • A comida é boa mas a apresentação ruim. Vamos lembrar daquela velha expressão "primeiro comemos com os olhos".
  • Praticamente o "mesmo" cardápio todos os dias. 
  • Execução ruim dos pratos.
  • A adaptação de uma nova rotina de alimentação é muito sofrida dependendo do diagnóstico.
  • Processos e fluxos a fim de atendê-lo com serviço padronizado e humanizado. 

Nem sempre a culpa é da comida do hospital! E por mais esforços por parte da equipe, agradar a todos é muito difícil.

Vamos a um resumo sobre o que eu considero que o setor deva prestar atenção para uma melhor experiência do paciente.

Execução da comida, criatividade, apresentação da comida e enxoval, operação (processos e fluxos), comunicação eficiente.

A Voice Technology possui uma solução para a nutrição que auxilia muito no gerenciamento do setor. Essa solução gera ótimos resultados pois os processos e fluxos ficam mais seguros com controles mais precisos e confiáveis.


Sobre Renata

Renata é especialista em Hotelaria Hospitalar,

Interessada em Humanização hospitalar, realizou trabalhos em Hospitais públicos e privados.

Formada em Hotelaria e Turismo na UNAERP.

Trabalhou em grandes Hospitais como a Santa Casa de Sertãozinho e o Hospital CopaD’or (Rio de Janeiro).

Autora do Livro “Descomplicando a Hotelaria Hositalar”

Acredito que seja interessante para inspirar gestores. Mostrar que a humanização dentro de hospitais é possível. E que não precisa de grandes investimentos. Pra Humanizar, basta SER humano.

Renata Baleotti

Outros artigos de Renata:

Comentários

Veja mais

Contatos e canais de contratação nos Hospitais

MANUAL DE INDICADORES DE HOTELARIA HOSPITALAR e CADERNO DE PROCESSOS E PRÁTICAS DE HOTELARIA HOSPITALAR

O que é Protocolo de Manchester?